Você sabe quando a gengivoplastia é indicada? Descubra!

Tempo de leitura: 7 minutos

Gengivas assimétricas, que cobrem os dentes ou que aparecem demais ao sorrir são problemas estéticos que incomodam muitas pessoas. Para resolvê-los, um tratamento interessante é a gengivoplastia.

Rápida e indolor, essa pequena cirurgia tem várias indicações e pode ser o procedimento certo para o seu caso. Por meio dela, é possível extrair o excesso de tecido e modelar a gengiva para que fique harmônica com o tamanho e o formato dos dentes.

Quer saber mais sobre esse procedimento? Então, continue lendo para descobrir suas indicações e contraindicações, como a gengivoplastia é feita, o que acontece no pós-operatório e quais resultados esperar. Acompanhe!

O que é gengivoplastia?

Também conhecida como plástica gengival, trata-se de uma pequena cirurgia estética que busca promover mais simetria às gengivas. A correção será feita de acordo com a necessidade e o desejo de cada paciente.

São muitas as técnicas que existem, com indicações diversas. Por isso, é sempre importante a avaliação de um profissional especializado. De qualquer modo, a gengivoplastia é um procedimento rápido e indolor, feito no próprio consultório do dentista com o uso de anestesia local.

Quando ela é indicada?

A gengivoplastia tem muitas indicações, sendo as mais comuns as listadas abaixo. Veja!

Pré-tratamento estético

As lentes de contato e as facetas são tratamentos estéticos cada vez mais populares. Porém, em algumas situações, o dentista poderá recomendar uma gengivoplastia antes desses procedimentos para garantir resultados mais harmônicos e esteticamente agradáveis.

Correções de formato

Pequenas curvaturas imperfeitas são corrigidas com uma gengivoplastia mais pontual. Nesse caso, nem sempre existe a necessidade de um planejamento prévio ou suturas, o que reduz o tempo do procedimento e do pós-operatório.

Alinhamento da gengiva com o lábio

Há casos em que as bordas das gengivas estão desalinhadas em relação aos lábios, mas esse alinhamento é indispensável para quem pretende usar facetas ou lentes de contato. Então, é feita a gengivoplastia, garantindo mais harmonia para o novo sorriso.

Nivelamento da gengiva

O objetivo é equalizar as alturas das gengivas, a partir dos detalhes de cada dente. Os incisivos laterais, por exemplo, devem ter a parte mais alta da gengiva e formato semelhantes, assim como os caninos, os incisivos centrais e os demais dentes.

Sorriso gengival

Essa é a indicação mais clássica da gengivoplastia, e também uma das características que mais costumam incomodar esteticamente os pacientes. O sorriso gengival é a exposição excessiva da gengiva ao sorrir ou falar.

O problema acontece devido ao crescimento acima do normal das gengivas sobre os dentes. Assim, com o recorte preciso, o dentista consegue promover mais harmonia ao sorriso e melhorar a autoestima do paciente.

Gengivas hiperplasiadas

As gengivas hiperplasiadas são aquelas que cresceram demais. As causas para isso são variadas, porém, as mais comuns são: o uso de determinados medicamentos como os indicados para leucemia e a respiração crônica pela boca.

Nessas situações, a remoção do excesso de gengiva não tem apenas um caráter estético, mas também preventivo. Isso porque auxilia na higienização correta dos dentes, evitando o acúmulo de placa bacteriana que poderia causar cárie ou gengivite, por exemplo.

Retração gengival ou pouco tecido

Embora o mais comum seja que a gengivoplastia retire a gengiva em excesso, o contrário também pode ocorrer. Nos pacientes com retração ou que apresentam pouco tecido gengival, o recomendado é que seja feito um enxerto de gengiva.

Isso garante a cobertura da raiz exposta, reduzindo a sensibilidade. Também favorece a estética, principalmente em pacientes com gengivas menos espessas. Nessas situações, o tecido do enxerto é retirado do céu da boca.

Quais são as contraindicações da gengivoplastia?

A principal contraindicação da gengivoplastia é para os pacientes que apresentam algum problema de saúde bucal, como cáries ou processos inflamatórios ou infecciosos na gengiva (gengivite ou periodontite). Mas essas condições podem ser tratadas primeiramente para depois realizar a cirurgia.

A gengivoplastia também não é indicada para os casos em que a porção de tecido a ser retirada é muito grande (superior a 8 mm). Quando isso ocorre, é necessário um tratamento mais complexo, porque existe a necessidade de reposicionar o osso.

As contraindicações se estendem para aqueles que apresentam uma proporção desfavorável entre a coroa e a raiz do dente. Para alguns grupos de pacientes, é necessário estudar com cautela suas condições clínicas e a viabilidade do tratamento, como em casos de:

  • problemas de coagulação;
  • diabetes descontrolada;
  • gestantes;
  • fumantes;
  • hipertensão não tratada.

Por isso, além de analisar a saúde bucal do paciente, o especialista precisa conhecer a sua saúde de um modo geral, a fim de observar se suas condições orgânicas são favoráveis ou não para realização desse tratamento.

Como a gengivoplastia é feita?

Como dissemos, esse é um procedimento bem simples, rápido e indolor. Entretanto, é essencial que o profissional siga alguns passos para um resultado mais satisfatório, como:

  • tratamento das gengivas;
  • exames clínicos, radiográficos e fotográficos;
  • moldagens para planejamento;
  • cirurgia para enxertar ou retirar gengiva (em média, a retirada é de 2 a 3 mm de tecido);
  • remoção das suturas (quando houver).

Depois de estudar as condições clínicas e necessidades do paciente e tratar possíveis problemas que inviabilizariam a cirurgia, o periodontista faz aplicação da anestesia no local a ser operado. A remoção ou modelagem do tecido é feita por meio de laser ou com bisturi.

Todo o procedimento dura em média meia hora. Para a grande maioria dos casos, não é preciso fazer suturas. A intervenção não deixa cicatrizes e as chances de complicações são muito pequenas, mas é preciso seguir as recomendações do especialista no pós-operatório.

Como é o pós-operatório da gengivoplastia?

O pós-operatório da gengivoplastia tende a ser tranquilo para a grande maioria dos pacientes. Isso porque as mucosas bucais apresentam uma rápida cicatrização e em cerca de duas semanas já estão totalmente recuperadas.

No entanto, não podemos nos esquecer de que se trata de uma intervenção cirúrgica e, como tal, se o local operado não receber cuidados, pode ficar inflamado, infeccionar e desencadear sintomas como dor, inchaço e sangramentos. Por isso, algumas recomendações para quem está se recuperando são:

  • evitar fazer esforços físicos;
  • cuidar para não se expor ao sol;
  • evitar bebidas alcoólicas e tabaco;
  • manter uma dieta leve, preferencialmente líquida ou pastosa;
  • evitar pratos muito quentes;
  • realizar a higiene bucal de acordo com as orientações do especialista;
  • não pressionar ou friccionar o local operado;
  • administrar os medicamentos no horário correto e conforme a dosagem prescrita pelo dentista.

Lembre-se de que uma das medidas mais importantes no pós-operatório da gengivoplastia é manter a boa higiene bucal. Isso porque é necessário impedir a proliferação de bactérias enquanto a gengiva estiver sensível, para evitar inflamações e infecções.

Em intervenções mais expressivas, é recomendado aguardar 3 dias para retornar às atividades normais. A dieta com alimentos mais sólidos ou fibrosos é liberada cerca de 7 dias após a cirurgia.

O que esperar do tratamento?

A realização da gengivoplastia permite alcançar melhoras estéticas significativas no sorriso. Essas alterações são muito positivas e influenciam também a autoestima do paciente, aumentando sua confiança e segurança ao falar, sorrir e interagir com outras pessoas.

Como há casos em que esse procedimento tem finalidades terapêuticas ou preventivas, neles, além dos ganhos estéticos, há o cuidado com a saúde bucal do paciente. Sua qualidade de vida melhora e também evita-se que problemas ou doenças bucais se instalem por causa da inadequação do tamanho da gengiva.

A gengivoplastia possibilita modificar radicalmente a aparência das arcadas dentárias. Com ela, você terá um sorriso mais simétrico e harmônico, reduzirá os desconfortos ao comer ou escovar os dentes — principalmente nos casos de retração gengival — e sua imagem será valorizada, elevando sua autoestima também.

Percebeu com as gengivas são importantes para nosso sorriso e saúde bucal? Para ajuda você a cuidar bem delas, veja este outro artigo sobre as doenças que podem afetar esse tecido e como tratá-las.

Sobre Dr Pedro Henrique

Dentista avaliador e responsável técnico da Vital Implantes Unidade Goiânia
CRO GO: 12179
Graduado em 2011 pela FOUSP ( Faculdade de Odontologia Universidade de São Paulo)
Especialista em Ortodontia pela FUNORTE (2017)
- Atualização em implantes HC-SP (2011)
- Curso de relacionamento interpessoal dale carning (2017)
- Curso de PNL dale carning

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *