Clareamento caseiro x clareamento clínico (antigo clareamento a laser): conheça as diferenças entre ambos

Tempo de leitura: 6 minutos

Mesmo escovando os dentes periodicamente, usando o fio dental e o enxaguante bucal, você ainda sente que o seu sorriso anda um pouco amarelado e “sem graça”? Para voltar a dar vida ao seu sorriso e deixar os seus dentes mais brancos, o clareamento dental é uma ótima escolha.

Porém, como qualquer procedimento, é preciso do acompanhamento de um dentista de confiança e de alguns cuidados. A principal dúvida dos pacientes é em relação às diferenças entre o clareamento dental caseiro e o clareamento dental clínico, buscando entender qual é mais eficiente e indicado para o seu caso.

Se você também compartilha dessas dúvidas, continue a leitura e saiba tudo sobre o assunto!

O que é o clareamento dental caseiro?

Há alguns anos, era muito comum os pacientes não gostarem muito desse método, principalmente porque tinham de ficar por longos períodos com a moldeira. Isso acontecia devido ao princípio ativo usado, que era o peróxido de carbamida.

Hoje, a formulação mudou e os clareamentos caseiros são feitos com peróxido de hidrogênio (o mesmo usado no clareamento clínico) em concentrações um pouco menores. Essa mudança no ativo fez com que o método se tornasse uma das principais escolhas dos dentistas.

Nessa técnica, os pacientes recebem uma moldeira exclusiva e uma quantidade específica do gel clareador. Basta usar essa moldeira com o gel entre 30 e 60 minutos por dia e respeitar o prazo de tratamento estipulado pelo seu dentista.

Mas atenção, porque clareamento caseiro não significa sem a orientação e supervisão de um profissional. Embora existam alguns produtos com essa finalidade vendidos em farmácias e pela internet, eles são amplamente desaconselhados pelos dentistas.

Afinal, esses kits não são fabricados de acordo com a necessidade específica do paciente, o que pode significar uma moldeira maior ou menor do que o tamanho da sua boca e uma concentração de gel muito agressiva. Isso pode resultar em queimaduras nas gengivas, na língua e nas mucosas.

Por isso, lembre-se que, o clareamento caseiro é sempre uma indicação do seu dentista, sendo que ele avaliará qual método é mais ou menos indicado de acordo com o seu caso.

O que é o clareamento dental clínico?

Outra possibilidade de clareamento dental é o realizado em consultórios, conhecido como clareamento clínico. Nesse método, o dentista também utilizará o peróxido de hidrogênio, porém em uma concentração bem mais elevada, permitindo que o procedimento seja mais rápido.

Há algum tempo, era comum que essa prática viesse acompanhada do uso do laser, o qual os dentistas acreditavam agir como um catalisador, tornando o procedimento mais rápido e ainda ajudando a reduzir as chances de sensibilidade.

Porém, novos estudos provaram que o uso do laser não tem nenhuma interferência nos resultados finais e, por isso, muitos dentistas já estão dispensando o seu uso, aplicando apenas o gel clareador.

Em geral, é possível notar resultados com esse método após 3 ou 4 sessões, mas isso, claro, dependerá da análise do seu dentista. Em muitos casos, a recomendação é de um tratamento misto, ou seja, com o uso de moldeiras em casa e também com a aplicação mais concentrada nos consultórios.

Como funciona o clareamento? Quais são os resultados possíveis?

Tanto no clareamento caseiro quanto no clínico, o princípio ativo usado é o mesmo, o peróxido de hidrogênio, e isso não é por acaso. As moléculas destes géis conseguem penetrar profundamente no interior da dentina e do esmalte, liberando oxigênio.

Este é capaz de “quebrar” as moléculas dos pigmentos que causam as manchas nos dentes, devolvendo a eles sua cor natural. Justamente por isso, é impossível que eles sejam clareados além da sua possibilidade.

Isso significa que, se naturalmente o seu dente tiver uma coloração um pouco mais acinzentada ou amarelada, por exemplo, ele não ficará totalmente branco, apenas algumas tonalidades mais claras do que está no momento.

Entender o processo é fundamental para que você não crie expectativas que não possam ser cumpridas, já que o clareamento não modifica a cor original do seu dente, apenas ajuda a clareá-lo dentro das tonalidades possíveis.

Além disso, vale ressaltar que o clareamento costuma ter uma “vida útil” de 1 a 2 anos. Depois desse período, pode ser necessário refazer o procedimento para que você tenha de volta os mesmos resultados.

É claro que, tomando os devidos cuidados, é possível prolongar esse prazo. Em alguns casos, para dentes mais escuros ou para pacientes expostos a agentes causadores de manchas (como o cigarro), pode ser indicado outros métodos que não o clareamento, como as facetas ou as lentes de contato dentais.

Existe contraindicação para o tratamento?

Em princípio, todas as pessoas podem se submeter aos métodos de clareamento, porém, é necessária uma análise detalhada de um profissional. Isso porque alguns tipos de manchas podem não ser removidas com o método, como é o caso de dentes afetados por excesso de flúor ou devido à hipoplasia do esmalte.

Além disso, o clareamento também não é indicado para gestantes e lactantes, pessoas alérgicas aos componentes da fórmula e pacientes muito jovens, já que nessas situações existe o risco de o clareamento afetar a polpa dental.

Pessoas que já sofrem com a sensibilidade dental ou com a retração gengival, por exemplo, precisam de um acompanhamento mais detalhado e uma atenção especial do dentista, sendo que, somente ele, poderá indicar se o clareamento é ou não uma opção viável.

O que preciso fazer após o clareamento?

Como você viu, tomar alguns cuidados com o clareamento (tanto feito em casa quanto no consultório) é extremamente importante para que os resultados se mantenham por mais tempo.

E isso envolve, basicamente, evitar o contato dos dentes com agentes que possam causar manchas, como o café, o vinho tinto, o ketchup, os chás de coloração mais escura, o chocolate, os refrigerantes de cola e outros alimentos que o seu dentista lhe orientará.

Para os fumantes, a recomendação é deixar o cigarro antes de se submeter ao clareamento. Isso porque a ação da nicotina poderá reduzir a eficácia do clareamento e ainda fazer com que o resultado não seja duradouro.

Como você pôde notar, tanto o clareamento caseiro quanto o clareamento clínico têm ótimos resultados, desde que sejam indicados e acompanhados por um dentista especializado e que todos os cuidados após o procedimento sejam tomados.

Esses são métodos bastante seguros e, quando bem-supervisionados, não causam nenhum dano ao paciente, como dentes sensíveis, dores ou desconfortos. Lembrando sempre que a recomendação entre um método ou outro dependerá da análise do seu dentista sobre as suas condições dentárias.

Gostou de saber sobre o clareamento dental clínico e o clareamento dental caseiro? Se este conteúdo foi útil para você, assine a nossa newsletter e receba sempre dicas interessantes diretamente no seu e-mail!

Sobre Dr. Francisco

Dr. Francisco de Oliveira Castro
Dentista avaliador na clínica Vital Implantes.
CRO-DF 9447
Graduado em 1997 pela FELA-INCA/UEMG;
Pós-graduando em Implantodontia na EAP-ABO de Campo Belo - MG.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *