Você sabia que os remédios podem afetar a saúde dos seus dentes?

Tempo de leitura: 6 minutos

Os remédios fazem parte da rotina da grande maioria das pessoas. Eles auxiliam a suprir necessidades do corpo ou manter o equilíbrio da saúde quando há alguma desarmonia orgânica. Mas você sabia que medicamentos afetam a saúde bucal de forma negativa?

Ao mesmo tempo em que são importantes para garantir qualidade de vida, essas substâncias trazem efeitos colaterais. Elas desestabilizam o organismo e provocam diversos problemas, incluindo os bucais.

Neste artigo, vamos falar um pouco sobre o impacto dos medicamentos nos dentes e tecidos da boca. Continue lendo para saber como eles afetam a saúde bucal e o que fazer para se prevenir contra isso.

Como os medicamentos afetam a saúde bucal?

Deixar de fazer uso de medicamentos é praticamente impossível. Afinal, é importante garantir ao organismo substâncias que o ajudem a manter o equilíbrio de suas funções. Elas são fundamentais em casos de doenças ou quando o corpo tem alguma necessidade especial.

No entanto, é como se diz popularmente: o remédio conserta uma coisa e estraga dez. E, infelizmente, existe verdade nessa afirmação, porque os medicamentos contêm princípios ativos que provocam efeitos colaterais.

E não somente as dores de cabeça, tonturas ou desconfortos gástricos estão nessa lista de problemas que os remédios podem causar. Afinal, eles também desestabilizam a saúde bucal, podendo comprometer os dentes e mucosas.

Esse problema é sentido com maior intensidade por pessoas que fazem uso crônico de remédios ou se submetem a longos tratamentos com certas substâncias. A presença constante delas no organismo causa maiores desequilíbrios.

Porém, mesmo em tratamentos de curto prazo, alguns efeitos colaterais podem ser sentidos, como a secura na boca (xerostomia), um problema que muitos remédios costumam causar, e logo nas primeiras doses.

Entre os diversos grupos de medicamentos que trazem efeitos negativos para a saúde bucal podemos citar:

Xaropes açucarados

Parecem inofensivos, pois trazem efeitos colaterais amenos na maioria dos casos. Porém, o problema maior dos xaropes está em sua alta concentração de açúcar. Essa substância desestabiliza o pH da boca e traz complicações.

Os xaropes açucarados podem enfraquecer os dentes e, como no caso dos alimentos ricos em açúcar, eles também aumentam as chances do desenvolvimento de cáries.

Antibióticos

O uso de antibióticos à base de tetraciclina também traz prejuízos para os dentes. Esses medicamentos afetam a saúde bucal porque seu princípio ativo, quando em uso contínuo, modifica os tecidos cálcicos — aqueles formados pelo cálcio.

O resultado disso é a formação de manchas com coloração acinzentada ou amarelada no esmalte dos dentes. Lembrando que essas marcas nem sempre podem ser revertidas com sucesso pelo clareamento dental, sendo esse tratamento contraindicado em alguns casos.

Diuréticos e anti-hipertensivos

Essa classe de medicamentos é muito utilizada para manter o equilíbrio orgânico. Mas apesar de seu grande benefício e prevenção de problemas mais graves, eles também causam impactos negativos para a saúde bucal.

Os diuréticos, hipertensivos, antidepressivos, antialérgicos e ativadores do metabolismo podem causar o já citado problema de secura na boca. Em consequência disso, aumentam os riscos de erosão dentária, hipersensibilidade, traumas nas gengivas e cáries, além de provocarem a halitose.

Broncodilatadores

Esses são medicamentos utilizados para o tratamento da asma, desobstruindo a passagem do ar em casos de crise. Seu princípio ativo, geralmente o sulfato de salbutamol, pode causar erosões no esmalte e na dentina, parte sensível dos dentes.

Isso acontece especialmente nos dentes de leite, ou seja, afeta mais as crianças, grupo que geralmente faz uso desse tipo de remédio. As consequências desse efeito negativo são a sensibilidade dentária e também desgastes permanentes.

Anticoagulantes

Os remédios dessa classe também estão entre os medicamentos que afetam a saúde bucal, mas nesse caso, eles trazem prejuízos especialmente para as gengivas. Em caso de acúmulo de placa bacteriana, ou se houver algum ferimento, eles provocam sangramentos constantes.

Com isso, podem aumentar as chances de desenvolver problemas (como a gengivite) e também infecções mais graves como evolução do quadro, que caracterizam as doenças periodontais.

Anticonvulsivantes

Esses medicamentos são utilizados para controlar quadros de epilepsia e convulsões de um modo geral. Especialmente a substância fenobarbital, ou fenobarbitona, que também tem efeito hipnótico e sedativo, pode afetar as gengivas.

Sua indicação tem sido evitada pelos profissionais de saúde, porque ela pode causar inchaços nas gengivas, podendo ocasionar a cobertura dos dentes pelo tecido gengival. Além disso, aumenta as chances de cárie e doenças periodontais, além de provocar dor.

Ou seja, os medicamentos afetam a saúde bucal tanto dificultando a prevenção de problemas (como a cárie ou a gengivite) quanto interferindo na estrutura dos tecidos. Com isso, deixa a boca e mucosas mais suscetíveis a doenças.

É possível prevenir o efeito negativo dos medicamentos?

Conforme dissemos logo no começo do artigo, deixar de tomar remédios é praticamente impossível, especialmente para quem precisa controlar quadros de saúde, como os hipertensos. Porém, é possível se prevenir do efeito negativo dos medicamentos na saúde bucal.

Para isso, é preciso evitar a automedicação, sempre fazendo uso de remédios indicados pelo especialista, na dosagem correta e seguindo o tempo de duração do tratamento. Também é essencial relatar para ele sintomas incômodos, pois, nesses casos, ele pode substituir a substância.

Além disso, é muito importante estar atento para a correta e satisfatória higienização da boca. Fazer a escovação após cada refeição utilizando um creme dental rico em flúor, usar o fio dental, escovar a língua e também aplicar um enxaguante, ajuda a fortalecer os dentes.

Dessa maneira, a placa bacteriana é eliminada, o pH da boca é controlado e os dentes são fortalecidos para que estejam menos suscetíveis aos problemas bucais.

Outra medida preventiva é ingerir bastante água, especialmente quando em caso de secura da boca. Assim, o fluxo constante de saliva é mantido, controlando o pH bucal e ajudando a limpar os dentes naturalmente.

E para completar com sucesso essa prevenção de problemas, não se esqueça de que as visitas ao dentista devem acontecer a cada seis meses. Em caso de algum contratempo ou desequilíbrio da saúde bucal, a frequência de consultas deve seguir o recomendado pelo especialista.

Assim, ele poderá acompanhar cada caso, examinando os tecidos bucais e auxiliando na prevenção de adversidades. Além disso, sendo acompanhado pelo profissional, é mais fácil diagnosticar esses problemas no começo, o que torna o tratamento mais tranquilo e rápido.

Os medicamentos afetam a saúde bucal, mas como não podemos deixar de fazer uso deles em muitos casos, então devemos ter cuidado com sua administração. Adotando uma rotina de cuidados, e ainda contando com o suporte constante de um dentista, mesmo consumindo remédios é possível manter o bem-estar da boca sempre em dia e um sorriso bonito e saudável.

Os remédios fazem parte da vida de todos, por isso, as pessoas precisam conhecer essas informações para se prevenirem. Então, compartilhe-as com seus amigos em suas redes sociais.

Sobre Dr. Francisco

Dr. Francisco de Oliveira Castro
Dentista avaliador na clínica Vital Implantes.
CRO-DF 9447
Graduado em 1997 pela FELA-INCA/UEMG;
Pós-graduando em Implantodontia na EAP-ABO de Campo Belo - MG.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *