Veja qual é o impacto da paralisia facial na odontologia

Tempo de leitura: 3 minutos

A paralisia facial ou paralisia de Bell consiste em perder movimentos da face, ela é provocada por problemas nos nervos. Com isso, os músculos faciais ficam fracos e flácidos. Geralmente decorre unilateralmente de maneira súbita ou gradual.

O nervo da lesão é responsável por diversas funções, são elas: controle das lágrimas e saliva, pela sensibilidade do canal auricular, pelo gosto que sentimos na parte anterior da língua e pelo movimento dos músculos de um lado do rosto: direito ou esquerdo. Dessa forma, com a paralisia perdemos algumas funções importantes.

Vale ressaltar que a cada cinco mil pessoas, uma é afetada e, com o aumento da idade, os índices tendem aumentar consideravelmente. É mais provável também que mulheres grávidas e pacientes diabéticos tenham mais possibilidade de serem acometidos pela doença.

Sendo assim, sabendo da importância desse tema, preparamos este post sobre o impacto da paralisia facial na odontologia. Confira!

Sintomas da paralisia facial

É preciso perceber alguns sintomas para detectar a paralisia facial. Entre eles, está a dificuldade de pronunciar palavras, de comer, de fechar a pálpebra, dores próximas à orelha e à mandíbula, perda do paladar em algumas partes da língua, dores de cabeça, de ouvido, salivação excessiva, espasmos musculares, olhos e boca seca, dificuldade de fechar os olhos, entre outras.

Causa da paralisia facial

A paralisia pode ser causada por vários fatores. Geralmente, quando ocorre uma perda de movimento gradual, é por causa de algum tumor na cabeça ou pescoço. Já no caso de uma perda repentina, suas causas podem ser:

  • doenças autoimunes;
  • vírus;
  • problemas de tireoide;
  • fratura do osso;
  • meningite;
  • traumatismo craniano;
  • síndrome de Ramsay-Hunt;
  • inflamação do nervo facial;
  • doença de Lyme;
  • infarto.

Relação entre odontologia e paralisia facial

O médico mais indicado para cuidar da paralisia facial é o otorrinolaringologista, juntamente a um fonoaudiólogo (a) e um fisioterapeuta. No entanto, dentistas também indicam para os médicos fazerem tratamentos, por exemplo, a laserterapia, que pode ocasionar resultados satisfatórios para a recuperação da mobilidade do rosto.

Em vista disso, é importante consultar regulamente o dentista, pois eles ajudam a evitar inflamações orais que, por estarem próximas ao nervo facial, poderiam afetá-lo e causar danos. Posto isso, a odontologia contribui para reduzir os índices de paralisia facial entre os indivíduos.

Dicas para evitar a paralisia facial

A paralisia facial pode ser provocada por motivos distintos, tanto que constantemente é diagnosticada com causa desconhecida. Apesar disso, existem alguns cuidados que ajudam a evitá-la.

É primordial reduzir o estresse, visto que é um dos fatores que desencadeia a paralisia facial. Pois ele pode manifestar qualquer reação no organismo. De distúrbios gastrointestinais a queda de cabelo. Antes de tudo, é essencial procurar um médico. Se ficar constatado que o paciente está estressado, é fundamental modificar os padrões comportamentais.

Cuidados na ocorrência da paralisia facial

É fundamental destacar que quando os sintomas surgem repentinamente, é importante buscar um serviço de atendimento de emergência para que o caso seja avaliado e se realizem os procedimentos necessários.

Se o paciente começar sentir uma paralisação gradual da face, o médico ou um dentista deve ser comunicado quanto antes com o objetivo que detectar a causa da possível paralisação. Em vista disso, quanto mais cedo for tratado o sintoma, maiores as chances de uma recuperação completa e com menos consequências.

Além disso, a paralisia facial tem conexão com as infecções virais. Pelo motivo dessas infecções fazerem com que o nervo facial fique inchado, interferindo em sua atividade. Assim, é preciso tratar dessas infecções para minimizar os riscos de ter uma paralisia na face.

É necessário ficar atento aos sintomas caso eles apareçam, para que se trate o mais rápido possível e não haja complicações posteriores. Logo, deve cuidar da saúde, com o fim de evitar as doenças que podem ser responsáveis pela paralisia facial.

Gostou das nossas informações sobre o impacto da paralisia facial na odontologia? Compartilhe este post nas suas redes sociais para que outras pessoas também fiquem por dentro do assunto!

Sobre Dra Caroline

Dra Caroline Wolff Marra
Coordenadora Clínica da Vital Implantes e Tratamentos dentários
CRO: 10849-DF
Graduada em 2014 pela Universidade Católica de Brasília

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *