Tratamento de canal: o que você precisa saber está aqui

Tempo de leitura: 6 minutos

Muitos pacientes evitam ir ao dentista por medo de precisarem de um tratamento de canal. No entanto, o procedimento, considerado por anos como um dos mais dolorosos e desconfortáveis, já evoluiu bastante e não precisa ser mais motivo de tanto receio.

Mas afinal, o que é o tratamento de canal? É verdade que ele dói tanto? Como ele é feito? Quando é indicado? Tem como evitar um tratamento de canal? Vamos responder a essas e outras perguntas neste post. Confira!

O que é o tratamento de canal?

O tratamento de canal é um procedimento de restauração da polpa dentária, que consiste na remoção do tecido morto ou infectado e no preenchimento do espaço com um novo material.

O principal objetivo da intervenção é reparar o dano ao dente de forma a evitar a perda dentária.

O que é a polpa dentária?

A polpa dentária é uma região interna às raízes dos dentes, composta por tecido conjuntivo frouxo, vasos sanguíneos e nervos, que sustentam e nutrem toda a estrutura dental.

Como a polpa dentária preenche os canais e os canalículos das raízes, o termo tratamento de canal foi instituído para descrever a técnica que restaura esse tecido. Entre os dentistas, esse procedimento é, muitas vezes, denominado de tratamento endodôntico.

Quando esse procedimento é indicado?

Normalmente, a polpa dentária fica protegida pelas camadas mais externas do dente, compostas pelo esmalte e pela dentina. Porém, quando há alguma exposição do tecido pulpar, ele sofre inflamação e fica vulnerável às infecções bacterianas — um quadro conhecido como pulpite.

O tratamento de canal é necessário nessas situações, que, geralmente, são consequências de cáries extensas e avançadas ou de fraturas dentárias.

Como diagnosticar a pulpite?

A única forma de diagnosticar a pulpite é passar por uma avaliação odontológica para que o dentista possa determinar se a polpa do dente realmente foi afetada. Para isso, pode ser necessário a realização de alguns exames complementares, como radiografias.

Os principais sintomas da pulpite são:

  • dor intensa no dente;
  • sensação de latejamento;
  • sensibilidade aumentada a meios quentes ou frios;
  • alterações na cor do dente;
  • inchaço local;
  • abscesso gengival recorrente.

Apesar desses sintomas serem os mais comuns, nem sempre estão presentes e pacientes sem qualquer queixa também podem necessitar de um tratamento de canal. Por isso, é fundamental realizar visitas periódicas ao dentista.

Como o tratamento de canal é feito?

O primeiro passo é a abertura do dente para que o dentista tenha um bom acesso à polpa dentária. Nos dentes frontais, essa abertura é feita na parte posterior deles, enquanto nos dentes posteriores, a abertura é feita bem no topo da coroa.

Em seguida, inicia-se um processo de limpeza local, com remoção de todo o material necrosado e desinfecção dos canais dentários. Após a limpeza, o espaço vago é preenchido com um material próprio, denominado guta-percha, que protege e sustenta o dente.

Por último, é realizado um processo estético para restauração da coroa dentária, a parte do dente que fica acima da superfície gengival. Isso pode implicar no uso de materiais de resina para preenchimento de toda a lesão superficial ou mesmo a substituição da coroa antiga por uma prótese sintética.

Em alguns casos, o dentista pode colocar um material de preenchimento temporário a fim de proteger a polpa e permitir um acesso rápido ao local em uma próxima consulta ou inserir um pino (de fibra de vidro ou de metal) na raiz para dar mais suporte à coroa.

O procedimento é doloroso?

Como todo o procedimento é realizado sob anestesia local, a dor e o desconforto são bastante reduzidos e quase desaparecem. O avanço da tecnologia também facilitou o trabalho dos dentistas na hora de desobstruir os canalículos, reduzindo a duração do processo.

Após o efeito da anestesia, é comum que o local fique sensível e dolorido, mas esses sintomas podem ser controlados com o uso de medicamentos analgésicos ou anti-inflamatórios, como o paracetamol ou o ibuprofeno.

Quanto tempo demora o tratamento?

A duração do tratamento de canal depende do tamanho e da complexidade da lesão, mas na maioria dos casos é possível realizar todo o procedimento em apenas uma sessão.

Quando há uma infecção mais extensa, que exija a eliminação de pus, contudo, podem ser necessárias de duas a quatro sessões para que todo o procedimento seja realizado da forma correta e a descontaminação do dente seja completa.

Qualquer dentista pode realizar?

O tratamento de canal é considerado um procedimento da endodontia, um ramo da odontologia que é responsável apenas pelas doenças que envolvem a polpa dentária. Assim, somente profissionais com essa especialização são considerados qualificados para a realização da intervenção.

Quais são os riscos?

Como qualquer procedimento cirúrgico, o tratamento de canal pode gerar sangramentos, infecções ou lesões a outras estruturas próximas ao dente, mas o risco de qualquer sequela grave é mínimo.

Dessa forma, não há dúvidas de que deixar o dente sem tratamento traz mais riscos à saúde do que realizar o procedimento.

Existe alguma alternativa para o tratamento de canal?

O tratamento de canal só é indicado quando a polpa do dente está comprometida. Como a polpa é responsável pela irrigação e inervação de toda a estrutura dentária, sem ela, o dente morre e pode servir de fonte para uma infecção grave, capaz de se espalhar para os ossos da boca ou para o restante do corpo, causando vários problemas, como artrite, febre reumática, endocardite, bacteremia, sepse etc.

Assim, se o paciente se recusa a realizar o tratamento de canal, a única alternativa é a extração dentária.

Como evitar a necessidade de fazer um tratamento de canal?

Uma vez que a lesão à polpa dentária é identificada, o tratamento de canal ou a extração do dente são obrigatórios. No entanto, é possível prevenir a pulpite por meio de alguns cuidados, como:

  • realizar visitas regulares ao dentista;
  • fazer uma higiene oral completa após cada refeição;
  • utilizar o fio dental diariamente;
  • não adiar tratamentos dentárias;
  • evitar traumas aos dentes;
  • realizar o tratamento das cáries assim que elas surgirem; 
  • evitar ingerir alimentos muito duros, que podem danificar os dentes.

E aí, aprendeu tudo sobre o tratamento de canal? Quer mais informações sobre como manter a saúde bucal em dia? Então, assine a nossa newsletter e receba as próximas postagens do blog!

Sobre Vital Implantes

O lugar certo para cuidar do seu sorriso!

Especializada em Implantes Dentários, a Vital se notabilizou por viabilizar a execução deste procedimento, até mesmo para aquelas pessoas que jamais imaginaram serem capazes de realizá-lo.

Como adquire sempre uma grande quantidade de Implantes, a Vital tem uma condição especial junto às melhores fabricas e essa mesma condição é transferida ao paciente durante a negociação do seu plano de tratamento. Dá até pra dizer que só não faz o tratamento, quem não quer.

Além de só trabalharmos com as melhores marcas de Implantes, nosso corpo clínico é formado apenas por mestres e especialistas. Dessa forma, conseguimos duas coisas muito boas: reduzimos o tempo de execução e aumentamos a qualidade do tratamento.

Claro que não fazemos apenas Implantes dentários. Temos especialistas nas áreas de periodontia, endodontia, demais cirurgias, ortodontia, prótese e dentística. Dá para fazer todos os procedimentos no mesmo lugar.

Visite uma das nossas unidades e comprove. Além de sabermos muito de odontologia, somos especializados em recebê-lo bem e viabilizar a realização do seu tratamento.

> Para agendar uma avaliação ligue:
- Brasília (61) 3032-5666
- Goiânia (62) 3996-6666

2 Comentários


    1. Olá Lusineide, para melhor lhe atender, vamos agendar uma avaliação para esclarecer todas as suas dúvidas? =D
      Brasília 061-3032-5666
      Goiânia 062-3996-6666
      Um abraço!

      Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *