Descubra agora como evitar a perda dentária

Tempo de leitura: 7 minutos

Perder um ou mais dentes é algo bastante desagradável. Além das questões estéticas, que podem deixar algumas pessoas com vergonha de sorrir, essa condição ainda leva a outras dificuldades, como de mastigação e de fala.

Por isso, evitar a perda dentária é algo extremamente importante e capaz de promover mais saúde e qualidade de vida. Quer saber como conseguir isso? Continue lendo este post!

Quais são as principais causas da perda dentária?

Má higiene bucal

A falta de higiene bucal, causada pela pouca escovação, ou pela escovação ineficiente, pode estar por trás de muitas doenças que, quando não tratadas, cursam para a perda dentária.

As duas mais comuns são:

  • doença periodontal: é a inflamação da gengiva que, no começo, é leve e localizada (chamada gengivite), mas, sem tratamento, pode evoluir para o surgimento de bolsas periodontais e até para a perda do dente, já que a inflamação atinge as partes de sustentação, como os ligamentos e o osso;
  • cárie: embora muitas pessoas acreditem que ela está restrita à infância, adultos que não escovam bem os dentes também podem sofrer com ela. Se não houver tratamento, a cárie é capaz de atingir as partes mais profundas do dente, levando à infecção e à perda dentária.

Tabagismo

Fumar, além de prejudicial a toda a sua saúde, também pode causar danos irreversíveis à sua boca.

O principal problema é o câncer de boca, além de o cigarro contribuir para a doença periodontal que citamos acima. A inflamação da gengiva pode ser tão grave a ponto de atingir as estruturas de suporte do dente, levando à sua perda.

Hábitos parafuncionais

Apertar ou ranger os dentes dormindo ou acordado é um problema grave de saúde e causa muito incômodo a algumas pessoas. O bruxismo (nome dado a essa condição), além de causar dor de cabeça e dores musculares, também pode levar à perda dentária.

Isso acontece devido ao desgaste maior do dente pelo atrito constante causado pela força excessiva. Outro problema está relacionado aos pequenos traumas que, com o tempo, acabam enfraquecendo o dente e levando à perda dentária.

Os hábitos parafuncionais estão presentes com maior prevalência em pessoas que sofrem com o mau posicionamento dos dentes, como a mordida cruzada. Nesses casos, o uso de aparelho ortodôntico é um tratamento fundamental. Porém, o bruxismo também pode aparecer em pessoas que não têm nenhum tipo de desvio dental.

Traumas

Quedas, batidas e muitas outras situações são capazes de levar à quebra e à perda dos dentes. Se o trauma for muito grande, pode acontecer de o dente sair totalmente da boca.

Nesses casos, é preciso que o reimplante aconteça de forma muito rápida, caso contrário, existe a possibilidade de perda permanente.

Doenças sistêmicas

Se a sua saúde não anda muito bem, você também poderá sofrer com problemas orais. Algumas doenças, como diabetes mellitus, doença de Crohn, AIDS, síndrome de Down e deficiência de glóbulos brancos, são capazes de predispor o paciente a ter mais chances de perda dentária.

Uso incorreto de aparelhos ortodônticos

Há algum tempo, era “moda”, entre os adolescentes, o uso de aparelho ortodôntico sem a prescrição de um dentista, feito de maneira totalmente irregular. Além de muitos problemas que essa prática pode trazer, uma delas é a perda dentária.

Mesmo quem vai ao dentista para colocar o aparelho pode sofrer com isso, caso o profissional não seja um ortodontista. Além dos aparelhos mal colocados, outros procedimentos feitos de maneira incorreta levam à perda dentária, como implantes e cirurgias.

Quais problemas a perda dentária pode trazer?

A perda de um ou mais dentes sempre incorre em problemas, afinal, o nosso corpo não foi projetado para vivermos sem uma peça.

Se um dente não está presente onde deveria, os demais precisam absorver aquela carga, causando algumas condições, como desgastes e dores. Além disso, é muito comum que haja uma movimentação dos dentes próximos ao que foi perdido, causando problemas de mordida.

Quando ocorre a perda dentária, os problemas mais comuns são:

  • dificuldade de mastigação, pois a arcada não consegue funcionar como deveria;
  • dificuldades de digestão, uma vez que o alimento não é mastigado corretamente;
  • perda óssea, já que a estrutura que sustentava o dente não tem mais serventia e o corpo começa a reabsorver esse osso (por isso, muitas pessoas precisam de enxerto ósseo antes de realizarem um implante);
  • má oclusão devido à movimentação dos demais dentes;
  • dores de cabeça e na face por causa da má oclusão.

Quanto mais dentes forem perdidos, mais graves serão os problemas.

Como evitar a perda dentária?

Como você viu, a perda dentária nunca é algo natural, e a estrutura da sua boca acabará se modificando, levando a questões bem sérias. Para evitar essa situação, separamos algumas medidas simples, mas importantes.

Boa higiene bucal

A higiene bucal é um ponto fundamental para evitar a perda dentária. Isso significa escovar os dentes após todas as refeições e usar o fio dental, no mínimo, uma vez por dia.

Para que a sua escovação seja eficiente, escolha uma escova adequada ao tamanho da sua boca e com cerdas macias. Nunca coloque força em excesso no procedimento, porque isso pode levar à retração das gengivas e também à perda dentária.

Evite ir dormir sem escovar os dentes, pois, nesse período, produzimos menos saliva e a nossa boca se torna um local propício para o desenvolvimento de bactérias.

Consultas periódicas

Muitos dos problemas bucais, quando diagnosticados ainda no início, podem ser tratados com facilidade, evitando que a doença se alastre e acabe levando à perda dentária.

A doença periodontal, por exemplo, inicia-se como uma gengivite (uma inflamação mais branda e bem localizada). Se você se consultar com frequência, seu dentista notará o problema e conseguirá revertê-lo, evitando questões mais graves.

Por isso, o ideal é ir de 6 em 6 meses ao dentista, ou, no mínimo, 1 vez por ano, mesmo que você ache que não tem nada de errado com a sua boca.

Limpeza profilática

No consultório, o dentista também poderá realizar uma limpeza profilática, raspando o tártaro dos dentes e deixando a sua boca mais limpa e livre de bactérias nocivas.

O tártaro começa a se formar com a placa bacteriana que não é retirada corretamente da escovação. Caso ele se acumule próximo à gengiva, pode ser um dos causadores de inflamações que, como vimos, levam à perda dentária.

Procura de um bom dentista

Sempre que você for fazer algum procedimento específico, procure por um especialista. Lembre-se de que um cirurgião dentista não está habilitado para realizar alguns procedimentos, como a colocação de aparelho. Para isso, ele terá que fazer uma especialização em ortodontia.

Assim, antes de fazer qualquer tratamento que seja mais específico, busque por um dentista habilitado e por uma clínica que tenha infraestrutura suficiente.

Além desses pontos, não se esqueça de cuidar bem da sua saúde, evitando que problemas, como os citados anteriormente, acabem levando à queda dos dentes, e tenha cuidado com os traumas.

Se você sofre com bruxismo, mordida cruzada ou outra questão, também é importante buscar tratamento para esses problemas, já que, com o tempo, eles podem levar à perda dos dentes.

Para quem já convive com a perda dentária, a melhor solução é o implante. Quer saber mais sobre ele? Então leia o nosso post completo sobre o assunto!

Sobre Dr. Francisco

Dr. Francisco de Oliveira Castro
Dentista avaliador na clínica Vital Implantes.
CRO-DF 9447
Graduado em 1997 pela FELA-INCA/UEMG;
Pós-graduando em Implantodontia na EAP-ABO de Campo Belo - MG.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *