Afinal, quem não pode fazer implante dentário?

Tempo de leitura: 6 minutos

O implante dentário é uma forma eficaz de substituir dentes naturais que foram perdidos. Porém, por ser uma cirurgia, existem muitas dúvidas sobre quem pode e quem não pode fazer implante dentário.

De fato, há alguns impedimentos para realização desse tratamento e também alguns casos que devem ser muito bem analisados e acompanhados de perto. Esses cuidados evitam as complicações durante a cirurgia e no pós-operatório.

Neste post, explicaremos o que impede a colocação de implantes e as situações em que é preciso uma análise criteriosa antes de dar início ao tratamento. Acompanhe e se informe melhor sobre esse assunto.

Como funciona o tratamento com implantes

É importante entender como funciona o tratamento com implantes para compreender por que alguns grupos de pessoas não podem fazê-lo — isso ocorre em função de ser uma cirurgia e necessitar de boas condições orgânicas e perfeita saúde bucal.

O implante dentário é um pino metálico (de titânio) que o implantodontista fixa no osso de sustentação dos dentes. O intuito é que o tecido ósseo envolva o pino e ele não saia do lugar, servindo como base para um dente artificial.

É preciso suturar a gengiva, perfurar o osso e aguardar a cicatrização dos tecidos. Por isso, quem não pode fazer implante dentário é aquele paciente que apresenta condições desfavoráveis para a fixação do pino, a osseointegração e a cicatrização dos tecidos.

Condições clínicas de quem não pode fazer implante dentário

Os pacientes que não podem fazer implantes dentários se dividem basicamente em dois grupos: aqueles que apresentam condições desfavoráveis no momento e precisam de tratamento antes do implante, e aqueles que não podem realizar porque há grandes riscos de complicações e insucesso.

Pacientes que precisam de tratamento antes de fazer um implante

Para colocação de um ou mais implantes, é importante que o paciente esteja apresentando perfeita saúde bucal. A presença de inflamações, infecções ou qualquer outro problema bucal implica necessidade de tratamento dessa condição.

Depois de tratado, o paciente passa por nova avaliação para que o dentista analise se a saúde bucal já está equilibrada e se ele tem condições de passar pela cirurgia com sucesso.

Antes de fazer o implante, o dentista também precisa observar se o paciente possui tecido ósseo suficiente para que o pino seja fixado. Quando há perda de tecido, é preciso fazer um enxerto ósseo, aguardar sua cicatrização, para então observar se é possível implantar o pino.

Esse tipo de condição é comum quando o dente foi perdido há muito tempo. Nesse caso, acontece a reabsorção do osso e ele se torna insuficiente para servir como base para a “raiz artificial” do dente substituto.

Antes de dar início ao tratamento de seus pacientes, o dentista avaliará essas e outras condições para definir quem não pode fazer implante dentário nesse momento. Vale lembrar que esses são impedimentos transitórios, mas existem casos em que o implante é contraindicado de toda forma, como veremos a seguir.

Pacientes que apresentam riscos para realização de implantes

Pacientes com determinadas condições orgânicas exigem cuidado muito maior antes de fazer implantes. Esse é o caso de quem possui problemas cardíacos, doenças autoimunes, câncer, hipertensão, diabetes, entre outros.

Esses pacientes precisam ser avaliados com cautela, e não apenas pelo cirurgião dentista, mas também pelo médico responsável por seu tratamento. Afinal, a cirurgia do implante poderá afetar a sua saúde orgânica.

Isso acontece especialmente porque nesse caso o paciente apresenta maior dificuldade para a osseointegração, maior propensão para o desenvolvimento de inflamações e infecções e ainda de hemorragias durante a cirurgia.

Ou seja, além de não ser seguro durante a fixação do pino, também acontecem complicações no pós-operatório. Então, antes de realizar o implante, é fundamental ter certeza de que o quadro clínico desses pacientes está estabilizado para obter a autorização do médico.

Quem não pode fazer implante dentário de fato são aquelas pessoas que não recebem a liberação de seu médico porque o quadro clínico é desfavorável e os riscos da cirurgia e suas complicações são maiores do que as chances de sucesso do implante.

Rejeição do implante

A rejeição é uma das preocupações de quem não pode fazer implante dentário, porém, é importante lembrar que ela não ocorre em função do material utilizado. O pino de titânio é biocompatível e o corpo não o vê como um intruso.

Na verdade, a perda do implante, nesse caso, se dá em função de não ocorrer a osseointegração do pino e também das inflamações e infecções que interferem na cicatrização e fazem o implante se soltar.

Para evitar que o paciente invista em um tratamento sem sucesso e que sua saúde seja ameaçada pelo implante, recomenda-se que cada caso seja avaliado com cautela. Quando não há condições, são adotados tratamentos alternativos para substituição dos dentes faltosos, como as próteses fixas.

Idade, tabagismo, gestação e implantes dentários

Outra dúvida muito comum sobre quem não pode fazer implante dentário é a restrição da idade do paciente. O que podemos afirmar é que não existe um limite máximo de faixa etária para realizar esse tratamento.

Desde que o paciente apresente boa saúde bucal, condições orgânicas e ossos suficientes para fixação do pino, ele pode fazer o implante dentário. Porém, existe um limite mínimo para realizar o procedimento.

Crianças e adolescentes também podem perder dentes, mas não podem fazer um implante sem antes ter terminado o desenvolvimento completo da arcada dentária e ossos da face. Isso porque o crescimento afeta o sucesso do tratamento.

Afinal, o pino não acompanha as mudanças ósseas, como a raiz natural do dente. Então, sua colocação antes de findar o crescimento acarreta complicações para a oclusão dos demais dentes e para a posição do pino.

Sobre o tabagismo, pessoas que fumam têm maiores chances de insucesso no tratamento, porque as toxinas do tabaco impedem a correta cicatrização e a osseointegração, levando à queda do pino.

No caso das gestantes, é indicado que aguardem o nascimento do bebê e a liberação de seu médico. Durante a gestação, o metabolismo da mulher se torna mais lento e isso pode interferir na recuperação no pós-operatório.

É fato que essa é uma das melhores opções para substituir dentes faltosos, mas, em todos os casos, para quem pode ou não realizar um implante dentário, é fundamental que seja consultado um bom profissional. Afinal, ele precisa considerar muitas questões antes de recomendar ou não o tratamento.

O que achou dessas informações? Ficou com alguma dúvida sobre quem pode ou não fazer implante dentário? Deixe seu comentário!

Sobre Dr. Francisco

Dr. Francisco de Oliveira Castro
Dentista avaliador na clínica Vital Implantes.
CRO-DF 9447
Graduado em 1997 pela FELA-INCA/UEMG;
Pós-graduando em Implantodontia na EAP-ABO de Campo Belo - MG.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *